quarta-feira, 25 de julho de 2012

Santa Ana - 26 de Julho

Imagem da Igreja Santa Ana - Pitanga, PR

Santa Ana
26 de Julho

Dom Frei Wilmar Santin, O.Carm.

Várias vezes a Bíblia cita o nome de Maria, a mãe de Jesus. Ela teve um pai e uma mãe, mesmo que a Bíblia não cite os seus nomes. O que sabemos deles provém da tradição. Esta nos informa que os pais da Jovem de Nazaré foram Joaquim e Ana. A festa deles é celebrada no dia 26 de Julho. Na Bíblia aparecem três mulheres importantes com o nome de Ana: a mãe de Samuel (1Sm 1,20), a mãe de Tobias (Tb 1,9), e a profetisa Ana, que encontrou Jesus no dia de sua apresentação no templo (Lc 2,36-38).

Os nomes de Joaquim e Ana, como pais de Nossa Senhora, aparecem já no século II no Proto-evangelho de São Tiago. Mas o culto desses dois santos começou a se desenvolver a partir do século VI no Oriente e no século seguinte no Ocidente. Sua festa só foi introduzida no calendário litúrgico no século XVI.
Segundo os evangelhos apócrifos, Ana era filha de um judeu nômade chamado Akar, da tribo de Levi, e de Santa Emerenciana. O casal Akar e Emerenciana teve além de Ana outra filha: Santa Esméria, mãe de Santa Isabel e avó de João Batista. Por isso Maria e Isabel eram primas (Lc 1,36). José de Arimatéia era seu tio materno. 
Uma tradição carmelitana afirma: “A três eremitas do Carmelo foi manifestado o significado da expressão ‘broto do tronco de Jessé’ (cf. Is 11,1-2): de Santa Emerenciana nascerão Santa Ana, mãe da Virgem Maria – da qual nascerá o Salvador, e Santa Esméria, mãe de Santa Isabel - da qual nascerá João Batista” (cf. P. Dorlandus. De vita S. Annae). 
Ana casou-se com Joaquim, que era da estirpe de Davi. Foram morar em Jerusalém, ao lado da piscina de Betesda (Jo 5), onde hoje se ergue a Basílica de Sant’Ana
Uma tradição atesta que Joaquim, nascido em Nazaré, era um homem muito virtuoso e rico. Durante muitos anos, Joaquim e Ana foram publicamente debochados por não terem filhos. É bom lembrar que, na época o não ter filhos era considerado uma punição de Deus. Em certa ocasião Joaquim foi humilhado no templo pelo sacerdote Ruben que recusou a oferta dele. O sacerdote ainda jogou em sua cara que ele era um amaldiçoado por Deus e lhe disse: “Você não tem o direito de ofertar, porque não gerou um filho sequer!” A reação de Joaquim foi ir para o deserto, jejuar e rezar durante 40 dias.


Retiro de São Joaquim entre os Pastores - Giotto

Ana ficou em Jerusalém chorando. Não deixou de rezar e pedir a Deus a graça de ter um filho. Certo dia, enquanto Ana rezava, apareceu um anjo e disse-lhe que Deus tinha atendido as suas preces. O anjo também pediu para que ela fosse encontrar o seu marido que, em obediência a outro anjo, estava retornando para casa. Eles se encontraram, segundo a tradição, na chamada Porta Áurea. Na ocasião Ana prometeu que consagraria a Deus a criança que nascesse de seu seio. Aos 40 anos de idade, Santa Ana concebeu e deu à luz a uma menina, que recebeu o nome de Maria. Ana cumpriu a sua promessa e ofereceu Maria a serviço de Deus, no templo, quando ela tinha 3 anos.
De acordo com uma tradição Ana e Joaquim viveram o tempo suficiente para ver o nascimento de Jesus. Joaquim morreu logo após ver o seu Divino neto Jesus, quando este foi apresentado no templo de Jerusalém.
 No entanto outra tradição conta que ele morreu bem antes do nascimento de Jesus. Uma terceira tradição conta que Ana faleceu antes do casamento de Maria e foi sepultada em Jerusalém ao lado de seu esposo.
          Um documento armênio do século XIII afirma que Joaquim e Ana eram justos e puros; que levavam uma vida piedosa e imune à calúnia; que eram perseverantes na oração, no jejum e na abstinência; que formaram uma família de assídua participação ao templo, cheia de caridade, incansável no trabalho e, em consequência, rica de bens. O mesmo documento diz que Joaquim e Ana dividiam o rendimento anual em três partes: uma para o Templo e sustento dos sacerdotes; outra para os pobres, e a terceira para eles mesmos. 
O grande teólogo São João Damasceno apresentava Joaquim e Ana como modelos de pais e esposos cujo principal dever era educar seus filhos.
Mas também podemos vê-los como modelo de fidelidade e confiança em Deus, como modelo de pessoas que rezam e colocam suas vidas nas mãos de Deus.
Santa Ana é invocada como protetora das mães e das mulheres que estão para dar a luz.
Em alguns países as mulheres, que tem dificuldade para engravidar, fazem novenas a Santa Ana para conseguirem ter filhos.

Desenvolvimento da devoção

O culto litúrgico de Santa Ana apareceu no sexto século no Oriente e no século seguinte no Ocidente. O imperador Justiniano construiu, em Constantinopla, uma igreja em honra de Santa Ana em torno do ano 550. Seu corpo foi trasladado da Palestina para Constantinopla em 710. Algumas de suas relíquias estão dispersas no Ocidente, como em Duren (Rheinland-Alemanha), em Apt-en-Provence, (França) e Canterbury (Inglaterra).

No século X a festa da concepção de Santa Ana era celebrada em Nápoles e se espalhou para Canterbury pelo ano 1.100 d.C. O Papa Urbano VI com a bula Splendor aeternae gloriae, em 21 de junho de 1378, permitiu o culto na Inglaterra
O livro Tractatus de laudibus sanctissimae Annae de João Trithemius (Mainz 1494) contribuiu muito para aumentar a Veneração a Santa Ana.
No norte da Europa, onde o culto de Ana atingiu a máxima difusão nos séculos XIV e XV, foi muito usada a água de Santa Ana para tratar febres e tumores. A ela foi consagrada a terça-feira, o dia da semana em que, segundo a tradição, nasceu e morreu.
Santa Ana era particularmente invocada pelas parturientes e pelas mulheres que queriam engravidar. Muitas bordadeiras e lavadeiras honravam Santa Ana não trabalhando no dia de sua festa, porque, segundo a tradição, a própria Santa Ana foi bordadeira e lavadeira.
A mãe de Maria também foi escolhida como a padroeira de várias categorias de trabalhadores, como ourives, carpinteiros, marceneiros, mineradores. Na Alemanha muitos centros de mineração eram chamados de Annberg = Monte de Ana.
O culto a Santa Ana chegou a ser atacado por Martinho Lutero, especialmente as imagens com Jesus e Maria, um aspecto favorito dos pintores da Renascença. Apesar dos ataques de Lutero, a devoção a Santa Ana continuou crescendo e por isso a Santa Sé estendeu a sua festa para toda a Igreja em 1584.
É desta época também a construção da Igreja Santa Ana no Vaticano. A Arquiconfraria “dei Palafrenieri” (encarregados de cuidar da cavalaria), instituída em 1378, tomou como padroeira Santa Ana. Em 1565 recebeu a licença de construir uma própria igreja no Vaticano. Encarregou o arquiteto Giacomo Barozzi detto Vignola para fazer o projeto e construir a igreja. Foi inaugurada em 1583. Em 30 de maio de 1929 o Papa Pio XI instituiu a Paróquia Santa Ana no Vaticano e a confiou aos padres agostinianos.
Em Roma, no largo Venosta, no início da via in Selci, há uma igreja copta dedicada a São Joaquim e Santa Ana. Sua construção foi iniciada em 1589. 
       O primeiro santo canonizado nascido no Brasil, Frei Galvão, incluiu Sant’Ana em seu nome quando iniciou o noviciado em 1760, porque Sant’Ana era “a avó de Jesus e padroeira de sua família” (GALVÃO Edson. História Ilustrada de Santo Frei Galvão, Guaratinguetá: 2011). Assim passou a se chamar Frei Antonio de Sant’Ana Galvão.
   Na Alemanha, os soldados de Schönbrunn (Burgebrach), como agradecimento por terem voltado vivos da Segunda Grande Guerra, construíram uma capela dedicada a Santa Ana no Naturpark Steigerwald, Schönbrunn - Região Burgebrach.


Capela de Santa Ana no Naturpark Steigerwald, Schönbrunn


No Brasil Santa Ana é Padroeira de:
-       2 Arquidioceses: Botucatu e Feira de Santana;
-       7 Dioceses: Caicó, Coari, Goiás, Itapeva, Óbidos, Serrinha e Tianguá;
-       Prelazia: Itaituba;
-       16 catedrais: Barra do Piraí, Botucatu, Caetité, Caicó, Coari, Feita de Santana, Goiás, Iguatu, Itaituba, Itapeva, Mogi das Cruzes, Óbidos, Ponta Grossa, Serrinha, Tianguá e Uruguaiana, além de inúmeras paróquias e capelas.
-       1 Estado: Goiás;
-        e muitas cidades, com destaque para Barra do Piraí, Botucatu, Caetité, Caicó, Coari, Feita de Santana, Goiás, Iguatu, Itaituba, Itapeva, Itaúna (MG), Mogi das Cruzes, Óbidos, Ponta Grossa, Serrinha, Tianguá e Uruguaiana.
-   Não se pode esquecer que também numerosas vilas e bairros levam o nome de Santana, como em São Paulo, onde inclusive há uma estação do metrô.
-  A Arquidiocese do Rio de Janeiro tem como padroeiro principal São Sebastião, mas Sant’Ana é co-padroeira. 

Santana foi uma das 15 capitanias hereditárias do Brasil. Estabelecida em 1534, tinha como donatário Pero Lopez de Sousa. Era a última das capitanias ao Sul. Começava na atual ilha do Mel e ia até Laguna, SC, uma extensão de 40 léguas.

Em Ponta Grossa, PR, há um colégio e faculdade com o nome de Sant'Ana. Estas instituições de ensino são administradas pelas irmãs Congregação Missionárias Servas do Espírito Santo, fundada por Santo Arnaldo Janssen SVD. O colégio foi fundado em 1934.

Há muitas localidades com o nome de Santa Ana (Sant’Ana ou Santana), como por exemplo: Santana do Tapará, um distrito portuário de Santarém, PA. Ali começa a rodovia PA-255, mais conhecida por Santarém-Monte Alegre.

Estátua de Sant’Ana, esculpidas em granito pelo escultor Humberto Cozzo - Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro



Catedral de Sant'Ana - Itaituba, PA


Oração a São Joaquim e Sant'Ana

  Ó Beatíssimos pais da Mãe de Deus, S. Joaquim e Sant’Ana, nós vos saudámos e bendizemos com devoção e amor. Alegramo-nos de todo o coração pela vossa glória e por aquele sublime privilégio pela qual Deus vos escolheu para serdes os pais da Mãe de Deus, Maria Santíssima. Rogai por nós a Jesus e a Maria para que nós os agrademos em tudo. Tende piedade de nós como os pais têm de seus filhos. Nós vos pedimos do fundo do coração para que intercedeis ao vosso divino Neto para que nos ajude na nossa caminhada e ilumine os nossos espíritos. Sede nossos consoladores na vida e na morte. Assisti-nos na nossa última agonia, para que dignamente recebamos os santos sacramentos da Igreja e, partindo deste mundo com o coração contrito, possamos chegar ao céu.







2 comentários:

  1. Olá participo de um projeto sobre Igrejas Históricas do Rio de Janeiro. Na igreja em que estou (Ordem Terceira do Monte do Carmo), temos uma imagem de Santa Emerenciana juntamente com representações menores em seus braços, de Sant'Ana e Maria. Chamamos esta imagem de Santas Mães.

    Estou pesquisando o dia de Santa Emerenciana. Acaso saberia esta informação?

    ResponderExcluir
  2. Muito linda! História
    Quero uma imagem
    Santa Ana

    ResponderExcluir

Seguidores